rioecultura rioecultura
Facebook Twitter Pinterest Picasa Instagram
EXPOSIÇÕES EVENTOS LOCAIS CULTURAIS COLUNISTAS ARTIGOS MATÉRIAS NOTÍCIAS INSTITUCIONAL COLABORADORES CONTATO
TRANSLATE THIS WEBSITE
COLUNA TEATRO  
Marcelo Aouila marcelo@aouila.com.br
Já é lugar comum dizer da atualidade de textos como Martins Pena e Nelson Rodrigues nos dias atuais. Nada muda, impressionante.

Temos em “O Beijo no Asfalto” o poder da mídia influenciando a sociedade. Sou sempre a favor da liberdade de expressão, deixo claro de imediato. Nesta época em que se diz por aí “mídia golpista” como jargão da turma que defende o governo – se é mesmo golpe da mídia não importa, mas em se tratando de influenciar as massas, nossa mídia é craque – este espetáculo não poderia ser mais oportuno.

rioecultura Coluna TEATRO: O beijo no asfalto - o musical

No filme “A montanha dos sete abutres”, um jornalista posterga o resgate de uma pessoa, que levaria míseras horas, para 6 (seis!) dias, pois o assunto rende matéria e dinheiro. Em Harry Potter, a caluniosa Rita Skeeter sacaneou o quanto pode Alvo Dumbledore e o nosso herói Harry. E quantas outras histórias ouvimos por aí... um colégio que fechou por causa de uma reportagem do Jornal Nacional, um conhecido que foi perseguido depois de seu nome ser veiculado na Linha Direta... Denegrir a imagem, gerar controvérsias, causar comoção, é moleza para a mídia, seja ela golpista ou reveladora. Temos que ter cuidado, nesta época de redes sociais, sobre o que se compartilha como verdade. Procure saber, já diz a turma dos direitos autorais.

João Fonseca sugeriu brincando, mas Cláudio Lins levou a sério: um musical numa peça de Nelson Rodrigues. Partiu para compor as músicas e nos apresenta, no Teatro Sesc Ginástico (até fim de outubro), e depois no Teatro das Artes (em novembro), o espetáculo “O Beijo no Asfalto – o musical”. Na peça, escrita em apenas 21 dias por Nelson, um homem dá um beijo na boca de um moribundo. Um beijo simples, ingênuo, uma boa ação apenas. Porém... a tal mídia resolve transformar o acontecido em manchete e transforma a vida, gera revelações familiares, muda a história de Arandir, o beijoqueiro. É cunhada se oferecendo, é esposa desconfiada, é sogro agressivo, é colega de trabalho tirando sarro... Arandir sofre o diabo por causa de sua atitude singular.

O espetáculo, texto de Nelson, é apresentado na íntegra, com a inserção das músicas compostas por Cláudio Lins. São números musicais ilustrativos que acrescentam à história pensamentos, reflexões e atitudes de alguns personagens diante do absurdo causado pela publicação. Cláudio tem berço e DNA para escrever belas canções, temas que são recorrentes durante a peça, e que são interpretados por cantores-atores da melhor qualidade em nosso quadro de artistas.

O cenário do Nello Marrese é composto de telas de arame, formando paredes e portas, servindo para pregar jornais, chapéus, roupas. As movimentações de algumas telas pelo palco proporcionam a divisão de ambientes, favoráveis para se contar a história. O figurino de Cláudio Tovar é sempre bonito e caracteriza a época. Luiz Paulo Neném ilumina a história separando o momento de texto dos números musicais. Com a trilha original, Délia Fischer assina a direção musical, variando ritmos, de samba a tango, de rap a funk, amparada por 5 músicos.

O próprio Cláudio Lins atua com Arandir, o rapaz que beija. Cláudio compõe um frágil homem atônito pelo rumo de seu gesto de compaixão. Laila Garin é Selminha, a esposa que, a princípio fica do lado do marido, mas com a pressão da sociedade... Laila reafirma que seu potencial vocal como cantora é fantástico. Sua interpretação de Selminha é muito cativante. Gracindo Jr, sempre ótimo, é o pai de Selminha. Yasmin Gomlevsky, como Dália, irmã de Selminha, tem notável amadurecimento profissional, atuando e cantando cada vez melhor. Thelmo Fernandes, como Amado Ribeiro, é o típico jornalista oportunista. Cláudio Tovar, adorável em cena, é o delegado Cunha. Jorge Maya é Aruba, ajudante de ordem da delegacia. Responsável pelas gargalhadas da plateia com seu bom humor cativante em cena, Jorge nos brinda com seu vozeirão e afinação. Janaina Azevedo é a vizinha fofoqueira, cantando muito bem. Gabriel Stauffer interpreta o homofóbico colega de trabalho de Arandir. Pablo Ascoli é o rapaz beijado no asfalto por Arandir, com presença cênica marcante tanto na atuação quanto nos números musicais. Completam o elenco Juliane Bodini, Ricardo Souzedo e Juliana Marins.

rioecultura Coluna TEATRO: O beijo no asfalto - o musical

João Fonseca aceitou o desafio de casar Nelson Rodrigues com músicas novas. A alternância dos números com os textos tem um bom resultado. João, aproveita o momento das discussões GLBT e amplia, com gestuais e entonações para determinadas frases dos colegas de trabalho e equipe da delegacia, a discussão do homossexualismo da história sem abafar o tema principal, que é o poder da mídia. Destaque para a cena em que Selminha, sentada na cadeira lendo o jornal, está na dúvida entre ir ao encontro do marido ou abandoná-lo, quando se levanta e sai, dando lugar a Arandir, que assume a cadeira, também lendo o jornal, à espera da esposa e tentando entender o que fizeram com sua vida. Desde o início, João mantém o clima de tragédia e mistério em torno do futuro de Arandir e a tensão na história cresce ao longo da apresentação.

O casamento entre Nelson Rodrigues e músicas criadas especificamente para o espetáculo é uma proposta ousada e inovadora. Cláudio Lins foi feliz nesta realização, na escolha da equipe que o cerca e o resultado é de qualidade. Temos números musicais que completam a cena e a história preservada. Uma novidade que poderia servir de inspiração para outras peças de teatro, a fim de se fugir dos musicais biográficos.

“O Beijo no Asfalto” é um ótimo trabalho de equipe, que pega carona na discussão sobre o poder da mídia nas divulgações das operações da Polícia Federal, pedaladas e lava-jatos da vida, que anuncia a altos brados os políticos do partido do governo envolvidos mas esconde os nomes dos políticos da “oposição” nos seus tabloides. “O Beijo no Asfalto” desnuda farsas jornalísticas, como a da revista Veja que publicou matéria sobre as contas falsas do Senador Romário e não deu uma linha sequer para as contas verdadeiras, na Suíça, do Presidente da Câmara dos Deputados.

Aqui neste espaço tento influenciar você, leitor, a seguir as minhas dicas de teatro para que assista aquilo que eu mais gostei na programação disponível. Então, se você gosta de Nelson, aprecia boa música e quer ser influenciado pela minha opinião, vá já ao Sesc Ginástico e não perca este “O Beijo no Asfalto”!

compartilhe subir a página
Postagens

Julio Biar [MPB]

Leo Ladeira [Patrimônio Histórico]

Marcelo Aouila [Teatro]

Seu nome:

Comentário:

Observação:
Verifique o texto antes de enviá-lo, pois não será possível modificá-lo ou apagá-lo após o registro.

ATENÇÃO: O seu comentário não será postado automaticamente. Ele passará por uma aprovação antes de ser publicado.



Seja o primeiro a comentar!
Escreva ao lado sua opinião.

Dados do(a) amigo(a):
Nome:
E-mail:
Mensagem:
Seus dados:
Seu nome:
Seu e-mail:
 
  voltarsubir
© Copyright 2008-2013 Rio&Cultura
SIMETRIA Arte e Comunicação desenvolve este site

Clicky Web Analytics
Rio&Cultura