rioecultura rioecultura
Facebook Twitter Pinterest Picasa Instagram
EXPOSIÇÕES EVENTOS LOCAIS CULTURAIS COLUNISTAS ARTIGOS MATÉRIAS NOTÍCIAS INSTITUCIONAL COLABORADORES CONTATO
TRANSLATE THIS WEBSITE
COLUNA TEATRO  
Marcelo Aouila marcelo@aouila.com.br
rioecultura Coluna TEATRO ELECTRA

De que lado está a verdade? Até que ponto a cegueira por justiça e a defesa do amor são responsáveis pelas grandes tragédias humanas? Quem está defendendo quem? Quem tem razão?

Clitemnestra matou Agamenon, seu marido, porque este matou sua filha, Ifigênia, para agradar a deusa Artêmis a fim de que “auxiliasse” o exército de Agamenon com o objetivo de vencer a guerra contra Tróia. A guerra é resultado da traição de Helena, esposa de Menelau. Fofoca típica de novela de Manoel Carlos. Clitemnestra, mãe de Ifigênia, sofreu com a morte da filha e, por justiça, matou o marido. A novela continua, agora com viés de vingança de João Emanoel Carneiro. Esta é a argumentação da mãe de Electra por ter matado o marido. Já Electra, que defende o pai, e para vingar sua morte, planeja, com seu irmão Orestes matar sua mãe, Clitemnestra. Pela visão de Electra, matar para vingar uma morte é tão ou mais “pecador” que o primeiro delito. Electra a acusa de ter-se aproveitado da oportunidade para matar Agamenon, a fim de que seu amante, Egisto, comande o reino de Argos. Bem, historiadores que me perdoem, mas é mais ou menos assim a base desse barraco familiar da antiguidade, que se passa no Egito, cenário das belas novelas de Glória Peres.

Sou totalmente contra pena de morte. O inferno é aqui. O inferno são os outros. Aqui se faz, aqui se paga. Morreu, acabou, deu-se bem o morto que, morto, não paga. Já quem fica, sofre, mesmo tendo sido feita justiça com as próprias mãos.

rioecultura Coluna TEATRO ELECTRA

Mas o que importa nisto tudo é que está em cartaz no Espaço Sesc, teatro de arena, o nosso maracanã do teatro, ELECTRA, a tragédia grega de Sófocles. Neste espetáculo temos a supervisão de texto de Fernanda Schnoor. Nesta montagem, o coro é condensado em um só homem, Corifeu, chefe do coro. Pílades, amigo sem fala de Orestes também não está ali, mas sua falta nem é sentida. Ambas as decisões (coro + Corifeu e retirada de Pílades) são positivas para a montagem. Li no programa que todos beberam na fonte de Antônio Abujamra cuja adaptação serviu como base para o trabalho. Abujamra sempre foi mestre. Salve!

A cenografia de Nello Marrese, sempre moderna e atual, é composta de pallets, estrados de madeira, que fazem de pequenas montanhas, montes, escadas, e que facilitam e auxiliam na interpretação e movimentação cênica. Gosto muito da serragem ao redor dos pallets, simulando terra, deserto, dando um efeito bastante interessante. O figurino de Marília Carneiro e Reinado Elias são bonitos, necessários para que se entenda onde se está localizada a trama, e o que sofre, ou manda, cada personagem. Destaque para a túnica de Clitemnestra e do Corifeu. A luz do sempre eficiente Luiz Paulo Neném é bem trabalhada, brincando como um xadres nos pallets, colorindo de vermelho na morte, abrindo o sol quando necessário. A trilha sonora de João Bittencourt é moderna, televisiva e cinematográfica. Senti falta de um “som” na morte de Clitemnestra (#ficaadica! – ou não, como diria aquele compositor baiano).

João Fonseca é o diretor desta montagem clássica, necessária nos tempos atuais. Como sempre, João sabe chegar no objetivo, que é contra a história e fazer as pessoas se envolverem no espetáculo. Não é fácil dirigir um clássico – e que clássico! – Existe um limite muito tênue entre o naturalismo e o dramalhão mexicano, a canastrice e o ridículo. E os atores ficam o tempo todo nesta corda bamba para que o espetáculo seja o correto, e não caia em nenhuma dessas armadilhas. João dá conta, mantém todos na linha e a montagem é muito boa, um clássico como tem que ser.

rioecultura Coluna TEATRO ELECTRA

O elenco masculino, formado por Francisco Cuoco, como o Preceptor, tem uma das suas melhores interpretações em teatro. O sempre ótimo Mário Borges é Corifeu. Ricardo Tozzi como Orestes, mostra a força e a fraqueza do irmão de Electra, quando fica em dúvida e desespero no momento em que se defronta com a mãe assassina. Já as “meninas” têm o lado carismático e doce de Paula Sandroni como a irmã Crisôtemis, que se rende ao sistema para não sofrer nem ser perseguida. Seria uma decisão sábia? Cada um sabe o que lhe dói mais. Camilla Amado é Citemnestra, defendendo o ponto de vista da rainha, da mãe, da amante, mesmo diante da incompreensão dos filhos. Vemos ali que ela também está em dúvida sobre estar certa ou errada, pedindo sempre ajuda aos céus, aos deuses, a Apolo, que não a abandone, que mostre caminhos. Camilla empresa verdade, é uma das melhores atrizes e vê-la em cena sempre é uma aula. Porém, Electra, de Rafaela Amado, é a estrela, a protagonista, desta história. Rafaela está viva, forte, corajosa, não há dúvidas de que sua Electra sofre, e muito, “Ai de mim!”, pela injustiça, pela falta do irmão, pela “tucanagem-coxinha” da irmã em cima do muro, pelo pai ausente. Rafaela tem ainda o desafio de ter a sua frente sua mãe biológica. E como odiar a personagem mãe distante da realidade da mãe de verdade? No palco está a resposta. Duas atrizes que se enfrentam de peito aberto, corajosamente, para que a história seja contada com eficiência.

Além disso tudo já dito, existe um fundo sócio-politico que é impossível separar do momento em que vivemos. Como diz João, no programa, “...para Sófocles o que importa é que ninguém pode usurpar um poder que não é seu e abusar deste poder para acabar com a liberdade de seus opositores”. O que vemos, de todos os lados de nossa política, é um querendo acabar com a liberdade do outro lado. Por isto Electra se mostra bastante atual em sua montagem. Teria muito mais a dizer sobre comportamentos humanos neste espetáculo, sobre, como diz Camilla, e eu concordo, “todos somos animais ferozes quando maltratados. E Electra é uma representante exemplar deste animal”, mas fico por aqui, para não falar demais, pois quem muito fala, muito erra.

Um espetáculo importante neste momento, um clássico, que merece ser visto por todos. É disto que precisamos para mostrar às novas plateias que o teatro está vivo e que temos que valorizar esta arte. E termino com a última frase de Orestes: “É preciso acabar com os que abusam do poder”. Viva Camilla Amado, viva Electra!

rioecultura Coluna TEATRO ELECTRA
compartilhe subir a página
Postagens

Julio Biar [MPB]

Leo Ladeira [Patrimônio Histórico]

Marcelo Aouila [Teatro]

Seu nome:

Comentário:

Observação:
Verifique o texto antes de enviá-lo, pois não será possível modificá-lo ou apagá-lo após o registro.

ATENÇÃO: O seu comentário não será postado automaticamente. Ele passará por uma aprovação antes de ser publicado.



Seja o primeiro a comentar!
Escreva ao lado sua opinião.

Dados do(a) amigo(a):
Nome:
E-mail:
Mensagem:
Seus dados:
Seu nome:
Seu e-mail:
 
  voltarsubir
© Copyright 2008-2013 Rio&Cultura
SIMETRIA Arte e Comunicação desenvolve este site

Clicky Web Analytics
Rio&Cultura