rioecultura rioecultura
Facebook Twitter Pinterest Picasa Instagram
EXPOSIÇÕES EVENTOS LOCAIS CULTURAIS COLUNISTAS ARTIGOS MATÉRIAS NOTÍCIAS INSTITUCIONAL COLABORADORES CONTATO
TRANSLATE THIS WEBSITE
COLUNA TEATRO  
Marcelo Aouila marcelo@aouila.com.br
rioecultura Coluna TEATRO Baker Street 221b

Romances policiais e de suspense são meus gêneros literários favoritos. Acabei de ler “Dias Perfeitos”, do amigo-escritor Raphael Montes, um jovem que está subindo mais que foguete, cuja capacidade de deixar o leitor atônito, ao entrar na cabeça de um psicopata e torcer para que o protagonista se dê bem, é enorme. Indico também, dele, o livro “Suicidas”. Esse garoto vai longe. Mas vem de longe a paixão por mistérios. Agatha Christie, com seus pimpolhos Hercule Poirot e Mrs Mapple, Arthur Conan Doyle com seu Sherlock Holmes, e Inspetor Maigret criado por Georges Simenon, só para citar os mais famosos, estão na estante de livros, no lugar privilegiado. Recentemente caí de cabeça nas séries CSI (e derivados), bem como na série Sherlock, no Netflix, pelo prazer que oferecem ao explorem os cérebros dos telespectadores em busca do assassino, ou fazendo parte do crime.

A surpresa boa, é que está em cartaz no teatro do Centro Cultural da Justiça Federal a peça “Baker Street 221b” – famoso endereço de Sherlock, em Londres. A peça é uma aventura do detetive em busca do assino de prostitutas, que morrem em série, na cara da plateia. Sherlock está lá, junto com o “elementar” Watson. O roteiro do espetáculo é assinado pelo Imaginário Coletivo, que optou mais por movimentos, teatralidade, do que especificamente um texto. Sábia decisão.

O palco livre, é abastecido por cadeiras e dois trainéis de pano preto que servem para dividir espaços. Porém, os próprios atores também são paredes, cachorros, gatos, partes de um corpo humano... só vendo para saber. O jogo do teatro para contar uma história, onde os atores são praticamente cenário, figurino e atores é o grande mérito da peça. A luz de Anderson Ratto é ótima, assim como o figurino de Ticiana Passos. E para emoldurar todo o espetáculo, a sábia trilha sonora de João Mello e Gabriel Reis.

rioecultura Coluna TEATRO Baker Street 221b

rioecultura Coluna TEATRO Baker Street 221b

A direção do André Paes Leme é genial. Trata-se de um trabalho de fim de curso do elenco e André consegue tirar proveito do que estes jovens sabem fazer de melhor. O jogo de cena (não há outra definição para a peça: um jogo), é combinado desde o princípio com a plateia, que embarca no desafio de imaginar o cenário, a situação, o assassinato, quem será a próxima vítima. André explora palco e plateia com sabedoria, coxias e escadas, ocupa cada centímetro que lhe é dado para contar a história. Recentemente assisti uma montagem do mesmo diretor – 1958 A Bossa do Mundo é Nossa – no teatro Laura Alvim, e a proposta era parecida. Na época eu já havia gostado deste jogo teatral e, agora, com Baker Street 221b, a repetição é mais um acerto.

No palco, Ícaro Silva é Sherlock. Recém saído de Jair Rodrigues, em Elis, A Musial, Ícaro mostra que seu talento é cada dia mais apurado. Fábio Cardoso é Whatson. Divertido e carismático. As atrizes Mariah Viamonte, Lorena Medeiros, Hannah Jacques, Luisa Pinheiro e Júlia Morales são as prostitutas, delegadas, passageiras do trem, pernas, braços e corpos do assassino. Seus corpos (no bom sentido) estão à disposição do espetáculo! A cena das cabeças retiradas do saco plástico é hilária! Aplausos para a cena da prostituta se defendendo com a mão esquerda, mas com a direita interpretando o assassino. Outra cena genial é a do trem. Tive vontade de aplaudir em cena aberta vários momentos, mas optei por segurar para o final, de tão envolvido que estava com a história. Um barato o trabalho de todos! Entregues para que o espetáculo seja o mais importante e não este ou aquele personagem.

rioecultura Coluna TEATRO Baker Street 221b

Se isto é uma montagem de atores recém formados, imagina quando forem veteranos? Rapaz! Que espetáculo! Que delicia de romance policial, que sabor de comédia de suspense! A nossa imaginação é parte integrante do espetáculo e muito do que vemos ali, no palco, é complementado em nossas cabeças, através de imagens e deduções. Elementar, caros leitores. Vida longa ao espetáculo. Indico esta peça como uma das melhores em cartaz no momento. Imperdível!

rioecultura Coluna TEATRO Baker Street 221b
compartilhe subir a página
Postagens

Julio Biar [MPB]

Leo Ladeira [Patrimônio Histórico]

Marcelo Aouila [Teatro]

Seu nome:

Comentário:

Observação:
Verifique o texto antes de enviá-lo, pois não será possível modificá-lo ou apagá-lo após o registro.

ATENÇÃO: O seu comentário não será postado automaticamente. Ele passará por uma aprovação antes de ser publicado.



Seja o primeiro a comentar!
Escreva ao lado sua opinião.

Dados do(a) amigo(a):
Nome:
E-mail:
Mensagem:
Seus dados:
Seu nome:
Seu e-mail:
 
  voltarsubir
© Copyright 2008-2013 Rio&Cultura
SIMETRIA Arte e Comunicação desenvolve este site

Clicky Web Analytics
Rio&Cultura