rioecultura rioecultura
Facebook Twitter Pinterest Picasa Instagram
EXPOSIÇÕES EVENTOS LOCAIS CULTURAIS COLUNISTAS ARTIGOS MATÉRIAS NOTÍCIAS INSTITUCIONAL COLABORADORES CONTATO
TRANSLATE THIS WEBSITE
COLUNA TEATRO  
Marcelo Aouila marcelo@aouila.com.br
rioecultura Coluna TEATRO: Tarja Preta

Quem ainda não tomou um pé na bunda, prepare-se. Ele virá. E depois disso, ficar roendo beira de calçada, com vontade de ligar o tempo todo na tentativa de reverter o quadro. Mas como se aquele vaso de cristal já está quebrado? Fiz terapia por deliciosos 6 anos e aprendi muito. Não, não fui à terapia por conta de um pé na bunda, mas durante o processo ele aconteceu. E eu amadureci. Aprendi que não se pode ser o provedor, o compreensivo o tempo todo. Dá nisso. Aprendi que não se deve “cavar” uma reposta, pois ela certamente virá negativa quando dita sob pressão. Se não quer ficar ansioso esperando a resposta, é simples: não faça a pergunta! A ansiedade é culpa exclusivamente nossa. Criamos expectativas em cima de uma fantasia sobre um fato. Portanto, não quer sofrer, não ligue, não procure, não peça notícias. Mas como viver então? Olhe para si, gaste seu tempo consigo. O momento é de se usar. Como já disse Martha Medeiros em na crônica, “Use-se” (http://pensador.uol.com.br/frase/NTIwMDgx/).

Reestreou no Teatro do Leblon a peça “Tarja Preta”. Um diálogo, muito franco, e hilário, entre uma mulher e seu cérebro. Em meio a bebidas e remédios, os dois se confrontam sobre como agir numa situação simples: ligar ou não ligar para o ex-marido. Parar ou não parar de pensar nele? Ela, com um belíssimo pé na bunda, está inconsolável. Ele, tentando colocar aquela mulher nos eixos da razão, mostra de forma clara e conturbada (devido ao álcool e aos tarjas pretas), que a melhor coisa, para ambos (a mulher e seu cérebro), é não ligar para ele. Se ela vai ligar ou não, só assistindo para saber.

Recheada de humor inteligente (que prazer!), o excente texto de Adrian Falcão tem como mérito os diálogos ricos, iluminados, calibrados por nomes de remédios que dão ânimo aos deprimidos. A conversa franca entre a mulher (coração) e o seu cérebro (a razão) é muito criativa. Impossível não se identificar em algum momento.

rioecultura Coluna TEATRO: Tarja Preta

Com a direção de Ivan Sugahara, diretor que admiro, respeito e acompanho, a peça começa na plateia, num divertido número que não choca nem agride ninguém. Ela, a mulher, chegando em casa trêbada, e seu cérebro acompanhando (claro), a tentativa hilária de se vestir, se situar. Com um jogo de cena ágil e moderno, Sugahara conduz o diálogo ocupando com competência todo o palco, quase num ritmo frenético, mas saem deixar a plateia perder nenhum lance daquele jogo de palavras e jogo da disputa (coração X cérebro).

No palco, caixas de remédios – tarjas pretas, claro – estão amparadas por móveis confeccionados de papelão (caixas que embalam as caixas de remédios). Ótima direção de arte de Rui Falcão. O figurino de Bruno Perlatto é interessante, pois une pijama com roupa de festa. A luz de Tomás Ribas valoriza cada cena. O apoio da Direção de Movimento de Paula Maracajá é fundamental para o jogo no palco.

Em cena, Letícia Isnard e Érico Brás se divertem e, obviamente, divertem a plateia. Completamente seguros de suas atuações, texto afiadíssimo, cada um dá o melhor de si para defender tanto o coração (ela) quando o cérebro (ele). Érico dá um show na cena do flashback quando conta como aconteceu o encontro entre a mulher e o rapaz que virou seu marido. Letícia (cujo o talento foi reconhecido por conta de Ivana, de “Avenida Brasil”) brilha nas cenas em que troca a verdade absoluta criada pelo seu cérebro pela dolorosa paixão criada pelo seu coração. Aplausos de pé por longos minutos.

Tarja Preta é um espetáculo de apenas 50 minutos. Queremos muito mais. Porém, assim como uma pílula de dose única, o espetáculo é certeiro, educa o psicológico e, melhor que Rivotril, levanta o astral de qualquer pessoa!! Corra para o teatro.

rioecultura Coluna TEATRO: Tarja Preta
compartilhe subir a página
Postagens

Julio Biar [MPB]

Leo Ladeira [Patrimônio Histórico]

Marcelo Aouila [Teatro]

Seu nome:

Comentário:

Observação:
Verifique o texto antes de enviá-lo, pois não será possível modificá-lo ou apagá-lo após o registro.

ATENÇÃO: O seu comentário não será postado automaticamente. Ele passará por uma aprovação antes de ser publicado.



Seja o primeiro a comentar!
Escreva ao lado sua opinião.

Dados do(a) amigo(a):
Nome:
E-mail:
Mensagem:
Seus dados:
Seu nome:
Seu e-mail:
 
  voltarsubir
© Copyright 2008-2013 Rio&Cultura
SIMETRIA Arte e Comunicação desenvolve este site

Clicky Web Analytics
Rio&Cultura