rioecultura rioecultura
Facebook Twitter Pinterest Picasa Instagram
EXPOSIÇÕES EVENTOS LOCAIS CULTURAIS COLUNISTAS ARTIGOS MATÉRIAS NOTÍCIAS INSTITUCIONAL COLABORADORES CONTATO
TRANSLATE THIS WEBSITE
COLUNA TEATRO  
Marcelo Aouila marcelo@aouila.com.br
rioecultura - Coluna TEATRO: Nós sempre teremos Paris

De repente uma pessoa muito bonita se materializa na sua frente. Algo chama a sua atenção. O lugar é propício. Você a observa, imagina uma história, um encontro talvez. Mas na hora de tomar a atitude, nada acontece. Quantas vezes deixamos de expressar nossos sentimentos e nem sabemos o porquê desta atitude? Por que não nos expressamos? O outro nunca vai saber do nosso sentimento à menos que seja dito para ele. “Eu gosto de você”, “Sou seu fã”, “Te vi e te achei lindo”, “Você é a mais bem vestida da noite”. Mas quem tem coragem de encarar o desconhecido e se expor a ponto de expressar um sentimento à primeira vista por aquela pessoa que nunca viu antes? O que nos prende? Vergonha de ser desprezado? Medo de não ser aceito? Lembre-se: o “não” já se tem.

Está em cartaz no Teatro das Artes, no Shopping da Gávea, o pocket show “Nós sempre teremos Paris”. O texto é do Artur Xexeo, que recentemente escreveu “A garota do biquíni vermelho”, uma homenagem a Sônia Mamede. Acompanho o blog do Xexeo e suas colunas no O Globo faz tempo. Não nego que sou seu fã e um de seus leitores assíduos. Agora, Xexeo se dedica a uma interessante história do desencontro entre um provável casal. Temos várias histórias de casais que se encontram pela vida e vivem momentos felizes, mas esta é a primeira vez em que um desencontro é levado ao palco, justamente para nos fazer pensar nas nossas “não-atitudes”, nos nossos medos de rejeição, no julgamento do outro sobre nossos sentimentos.

rioecultura - Coluna TEATRO: Nós sempre teremos Paris

“Nós sempre teremos Paris” é a história de um homem e uma mulher que, sentados cada qual em sua mesa, num café em Paris, se interessam à primeira vista um pelo outro. Entre monólogos-pensamentos, a história é envolvida pelas canções francesas mais conhecidas do publico. Xexeo cita lugares, descreve atitudes, fala através de seus personagens, declara seu encanto pela cidade luz. Ainda não tive o prazer de conhecer Paris, mas depois deste espetáculo, quem sabe? Vontade de anotar no caderninho todas as dicas oferecidas ao publico dos lugares a conhecer em Paris.

A direção de Jacqueline Laurace confere ao espetáculo uma leveza discreta. Os atores são conduzidos por um caminho de elegância, com a própria Paris pede. Os movimentos, os números musicais, os tempos de espera, tudo se passa de acordo com o “não-encontro” proposto. Uma direção firme e de bom gosto. O figurino é bastante bonito, o cenário nos leva a imaginar um café. A luz muda de acordo com as necessidades musicais.

rioecultura - Coluna TEATRO: Nós sempre teremos Paris

O trio de músicos no palco dá ao espetáculo o tom de pocket, com arranjos belíssimos, bem executados. A preparação vocal dos atores também é para ser destacada. Tanto Françoise Forton quanto Tadeu Aguar cantam com facilidade, interpretando as canções com carinho em tons corretos para suas vozes.

Mas o grande charme do espetáculo fica por conta de Françoise Forton e Tadeu Aguiar. Françoise encara a mulher que passou pela vida sem grandes emoções, mas que guarda em si todo um desejo de felicidade reprimida pelo tempo. Além de estar linda em cena, Françoise canta muito bem, é elegante como se pede este pocket e conduz aquela mulher a buscar por um final feliz para sua vida, mesmo que seja apenas no teatro. Tadeu Aguar é aquele homem elegante, que tem uma voz gostosa de se escutar. Atua com segurança de já ter participado e dirigido excelentes musicais no teatro. Representa aquele cidadão que busca sua felicidade mesmo já tendo se passado vinte anos de um “não-encontro” com o grande amor da sua vida.

“Nós sempre teremos paris” é um espetáculo que nos faz reviver a música francesa, nos traz a elegância de dois atores de alto nível em cena, nos conduz a uma cidade que inspira amor e paixão e, principalmente, nos faz pensar sobre como expor um sentimento diante de uma pessoa que nos chama a atenção. Saí do teatro feliz por ouvir as canções francesas; saí fortalecido para poder expressar meus sentimentos positivos para alguém, sempre que tiver vontade de elogiar  ou iniciar uma conversa com um desconhecido. Um espetáculo de alto nível para os amantes da musica francesa e da arte de representar.

rioecultura - Coluna TEATRO: Nós sempre teremos Paris
compartilhe subir a página
Postagens

Julio Biar [MPB]

Leo Ladeira [Patrimônio Histórico]

Marcelo Aouila [Teatro]

Seu nome:

Comentário:

Observação:
Verifique o texto antes de enviá-lo, pois não será possível modificá-lo ou apagá-lo após o registro.

ATENÇÃO: O seu comentário não será postado automaticamente. Ele passará por uma aprovação antes de ser publicado.



Seja o primeiro a comentar!
Escreva ao lado sua opinião.

Dados do(a) amigo(a):
Nome:
E-mail:
Mensagem:
Seus dados:
Seu nome:
Seu e-mail:
 
  voltarsubir
© Copyright 2008-2013 Rio&Cultura
SIMETRIA Arte e Comunicação desenvolve este site

Clicky Web Analytics
Rio&Cultura