rioecultura rioecultura
Facebook Twitter Pinterest Picasa Instagram
EXPOSIÇÕES EVENTOS LOCAIS CULTURAIS COLUNISTAS ARTIGOS MATÉRIAS NOTÍCIAS INSTITUCIONAL COLABORADORES CONTATO
TRANSLATE THIS WEBSITE
COLUNA PATRIMÔNIO HISTÓRICO
Leonardo Ladeira ladleo@gmail.com
Estátua do ator é restaurada e tem punhal reforçado para não ser roubado

rioecultura - Coluna Patrimônio Histórico: A Redenção de João Caetano (abertura)

Depois de 20 anos João Caetano teve finalmente seu punhal recuperado!

A estátua de bronze que homenageia um dos mais famosos atores brasileiros do século XIX, João Caetano dos Santos (1808 - 1863), acaba de ser devolvida à cidade do Rio de Janeiro totalmente restaurada e completa. O punhal de bronze que havia sido roubado foi reintegrado ao monumento graças à ação do escultor Edgar Duvivier, que executou a restauração. A obra foi uma parceria com a Secretaria Municipal de Conservação e Serviços Públicos da Prefeitura do Rio e foi patrocinada pelo empresário Luiz Calainho.

“Levamos dois meses pra restaurar a estátua. Ela estava sem o punhal há mais de 20 anos e muito suja”, conta Edgar.

Para recompor a peça faltante ele foi ao Museu de Belas Artes para medir a espada original, já que a instituição possui uma cópia em gesso do monumento. Depois, com as medidas do original, Edgar refez um punhal de madeira que posteriormente foi fundido em bronze na Fundição Rogério Silva, em Irajá.

Segundo o escultor quem tentar roubar a peça daqui por diante terá muito trabalho: “Reforcei o punhal com um vergalhão bem grosso de aço, o que faz com que seja mais difícil de roubar. Pelo preço que eles podem vender aquela espada num ferro velho, e o trabalho que vai dar pra serrar, é melhor tentar arrumar dinheiro em outro lugar”.

A cerimônia de reinauguração da estátua do ator ocorreu no sábado, oito de setembro, um pouco antes da matinê do musical ‘O Mágico de Oz’, em cartaz no teatro homônimo, na frente do qual situa-se o monumento. O elenco, músicos e equipe do espetáculo, como os atores Maria Clara Gueiros, Lucio Mauro Filho, Pierre Baitelli e Malu Rodrigues, prestigiaram o evento e descerraram a estátua.

“A gente deveria cuidar da cidade como cuida da nossa casa, e no que for possível, a gente ajuda a Prefeitura nessa conservação. Se pudermos não sujar, ou ajudar a limpar, a restaurar, a cidade vai ficar muito melhor para todos. É como a gente faz em casa. A gente não fica esperando (ou não deveria ficar) a empregada aparecer pra limpar tudo, ou para apanhar um papel no chão, ou lavar uma louça. A gente vai lá e faz. Acho que esse restauro, e a atitude do Luiz Calainho de financiar o restauro, devia servir de exemplo para outras pessoas físicas ou jurídicas que gostem do Rio de Janeiro”, disse Edgar Duvivier.

Conheça mais um pouco da história do monumento:

rioecultura - Coluna Patrimônio Histórico: A Redenção de João Caetano (foto 1)

A estátua em bronze do ator João Caetano é de autoria do escultor Francisco Manuel Chaves Pinheiro. A peça, em tamanho natural, foi fundida em Roma, em 1860, e pesa 800 quilos. Na obra, o ator interpreta Oscar, filho de Ossin, de Arnoult.

rioecultura - Coluna Patrimônio Histórico: A Redenção de João Caetano (foto 2)

Quando foi inaugurada, em 1891, a estátua do famoso ator ficava em frente à já demolida Academia Imperial de Belas Artes, na Avenida Passos. Em 1916, a escultura foi transferida para a frente do Teatro João Caetano, antigo Real Teatro de São João.

rioecultura - Coluna Patrimônio Histórico: A Redenção de João Caetano (foto 3)

Em 2012, a estátua de João Caetano foi retirada de seu pedestal para ser restaurada pelo escultor Edgar Duvivier. A peça encontrava-se suja e o punhal que o ator portava havia sido roubado.

rioecultura - Coluna Patrimônio Histórico: A Redenção de João Caetano (foto 4)

No dia 9 de setembro de 2012, o elenco do musical ‘O Mágico de Oz’, então em cartaz no Teatro João Caetano, participou da cerimônia de reinauguração da estátua.

rioecultura - Coluna Patrimônio Histórico: A Redenção de João Caetano (foto 5)

Atores como Lucio Mauro Filho, Maria Clara Gueiros, Pierre Baitelli e Malu Rodrigues descerraram o monumento, apresentando-o à população totalmente restaurado.

rioecultura - Coluna Patrimônio Histórico: A Redenção de João Caetano (foto 6)

O punhal de João Caetano voltou a fazer parte do monumento após 20 anos. A peça foi refeita a partir do molde em gesso que se encontra no Museu Nacional de Belas Artes. A estátua também recebeu uma aplicação de resina para proteção.

rioecultura - Coluna Patrimônio Histórico: A Redenção de João Caetano (foto 7)

A estátua de João Caetano foi restaurada graças a uma parceria da Secretaria Municipal de Conservação e Serviços Públicos da Prefeitura do Rio, do empresário Luiz Calainho e do escultor Edgar Duvivier.

rioecultura - Coluna Patrimônio Histórico: A Redenção de João Caetano (imagens de João Caetano)

João Caetano – O Maior Ator Brasileiro do Século XIX

João Caetano dos Santos (Itaboraí, 27 de janeiro de 1808 — Rio de Janeiro, 24 de agosto de 1863) nasce em Itaboraí (RJ) e estreia como ator em 1831, na peça ‘O Carpinteiro da Livônia’. O ator também exerceu as funções de empresário e ensaiador. Autodidata, especializa-se em papéis dramáticos, encenando peças de dramaturgos europeus, como William Shakespeare e Alexandre Dumas. Em 1833, funda a própria companhia teatral em associação com a bailarina e atriz Estela Sezefreda, com quem se casa em 1845. Com a montagem de Antonio José, ou o Poeta e a Inquisição (1838), de Gonçalves de Magalhães, introduz temas brasileiros no teatro desenvolvido no país. Sua companhia rompe com a tradição então predominante, totalmente influenciada pela dramaturgia portuguesa, ao encenar autores nacionais. Ela também revoluciona a representação dramática ao colocar no palco apenas atores brasileiros, uma prática incomum na época. Além de atuar em muitas peças, tanto no Rio como nas províncias, João Caetano publicou dois livros sobre a arte de representar: Reflexões Dramáticas, de 1837, e Lições Dramáticas, de 1862, onde apresenta seu ideário estético do teatro: a substituição dos "vícios declamatórios do estilo lusitano por um estilo de representar mais simples e verdadeiro". Morre no Rio de Janeiro. Era dono absoluto da cena teatral brasileira de sua época.



Fotos da restauração da estátua: Leo Ladeira

Fontes de Consulta:
- Portal da Secretaria Municipal de Conservação e Serviços Públicos da Prefeitura do Rio
- Site Brasil Cult
- Wikipédia
- Acervo Edgar Duviver
- Acervo Leo Ladeira
compartilhe subir a página
Postagens

Julio Biar [MPB]

Leo Ladeira [Patrimônio Histórico]

Marcelo Aouila [Teatro]

Seu nome:

Comentário:

Observação:
Verifique o texto antes de enviá-lo, pois não será possível modificá-lo ou apagá-lo após o registro.

ATENÇÃO: O seu comentário não será postado automaticamente. Ele passará por uma aprovação antes de ser publicado.



Seja o primeiro a comentar!
Escreva ao lado sua opinião.

Dados do(a) amigo(a):
Nome:
E-mail:
Mensagem:

Seus dados:
Seu nome:
Seu e-mail:
  voltarsubir
© Copyright 2008-2013 Rio&Cultura
SIMETRIA Arte e Comunicação desenvolve este site

Clicky Web Analytics
Rio&Cultura