rioecultura rioecultura
Facebook Twitter Pinterest Picasa Instagram
EXPOSIÇÕES EVENTOS LOCAIS CULTURAIS COLUNISTAS ARTIGOS MATÉRIAS NOTÍCIAS INSTITUCIONAL COLABORADORES CONTATO
TRANSLATE THIS WEBSITE
COLUNA PATRIMÔNIO HISTÓRICO
Leonardo Ladeira ladleo@gmail.com
Do Convento da Ajuda para a Praça General Osório

rioecultura : Chafariz das Saracuras : Coluna Patrimônio Histórico
foto de arquivo de André Teixeira

A última obra de caráter civil de Mestre Valentim foi o Chafariz das Saracuras.

A fonte localizava-se originalmente no claustro do já demolido Convento da Ajuda, na região da atual Cinelândia, e com a demolição, foi transferida para Ipanema, para a Praça General Osório, onde está até hoje.

Vamos hoje conhecer a história desse importante monumneto artístico do Rio de Janeiro:

O Chafariz das Saracuras

rioecultura : Chafariz das Saracuras : Coluna Patrimônio Histórico

O Chafariz das Saracuras, lavrado em granitro carioca, foi construído em 1795 para o pátio interno do Convento da Ajuda, constituindo-se, segundo a historiadora de arte Anna Maria Monteiro de Carvalho “num espaço de utilidade e lazer das irmãs”.

A fonte teria sido erguida pelas freiras da Ajuda em homenagem ao Vice-Rei Conde de Resende (1790 – 1801), que havia lhes presenteado com um abastecimento de água próprio, feito por meio de um cano.

Na cartela do chafariz, em mármore de lioz, lê-se: “Feito com a proteção do ilustríssimo e excelentíssimo senhor Conde vice-rei do Estado do Brasil, sendo atual abadessa a soror Anna Querubina de Jesus”. O brasão do Conde de Resende foi colocado em 1799 numa das faces da pirâmide, sobre cartela lapidar.

rioecultura : Chafariz das Saracuras : Coluna Patrimônio Histórico

rioecultura : Chafariz das Saracuras : Coluna Patrimônio Histórico

A água saía da boca de quatro cágados e do bico de quatro saracuras, que se fixavam no pé da pirâmide. Estas esculturas, em bronze fundido na Casa do Trem, não existem mais. A água escorria para os tanques inferiores por meio dos cágados, que arrematavam as partes superiores dos tanques.

Sobre uma plataforma elevada, de planta circular, ergue-se uma taça de grande porte. Para a plataforma se tem acesso através de quatro escadas que se alternam com quatro tanques. Sobre a taça vê-se um cilindro que suporta uma esguia pirâmide de base quadrada, encimada por cruz de ferro.

O Chafariz tem forma circular, quatro tanques intercalados por quatro lances de degraus que dão acesso a um segundo plano, formando uma plataforma circular de cujo centro ergue-se uma taça. Desta parte uma coluna cilíndrica que forma a base da pirâmide quadrangular encimada por cruz de ferro.



Transferência do chafariz para a Praça General Osório

rioecultura : Chafariz das Saracuras : Coluna Patrimônio Histórico

rioecultura : Chafariz das Saracuras : Coluna Patrimônio Histórico

Com a demolição do Convento da Ajuda, em 1911, o Chafariz das Saracuras é doado ao Município do Rio de Janeiro.

Em 26/10/1911, o fotógrafo Augusto Malta faz um último registro do chafariz ainda dentro do claustro do convento. Em dezembro daquele ano, o chafariz é instalado na Praça Ferreira Vianna, atual General Osório, em Ipanema.

Em 30/06/1938, o Chafariz das Saracuras é tombado pelo SPHAN.

rioecultura : Chafariz das Saracuras : Coluna Patrimônio Histórico

Em inspetoria realizada em 13/07/1946 foi constatado que o chafariz estava em bom estado de conservação, não apresentando danos na cantaria da bacia e do tanque. No entanto, foi percebida uma falta na parte inferior do escudo e na coroa que o encima. Havia também algumas manchas vermelhas na cantaria e os tanques estavam cheios de areia. No ano seguinte (1947), em inspetoria realizada a quatro de abril, foi verificado que faltavam todos os elementos decorativos do monumento (cágados, saracuras e as bicas). Oito braçadeiras de metal que ligavam os blocos dos tanques laterais haviam sido arrancadas.

Em 1961 foram feitas obras de reforma no Chafariz das Saracuras. Os cágados foram reproduzidos, a placa em bronze foi retirada do corpo central e o monumento ganhou iluminação especial. Em 1967, o Chafariz ganhou nova restauração, quando voltou a oferecer água, que saía das bocas dos cágados e dos bicos das saracuras. Na ocasião, um jardineiro ligava a bomba d’água duas vezes por dia.

Em 1987 o Chafariz foi novamente restaurado, quando os cágados e as saracuras já haviam sido roubados. Houve dificuldades de reconstituir as peças. O chafariz foi entregue à população pelo vice-prefeito Jó Resende. O monumento ganhou novas saracuras e cágados de bronze.

rioecultura : Chafariz das Saracuras : Coluna Patrimônio Histórico

Em 1996, durante vistoria realizada por técnicos do IPHAN, foi verificado que o chafariz estava sendo usado como dormitório para mendigos. A vistoria revelou que o chafariz não apresentava problemas evidentes na estrutura, mas as instalações hidráulicas e sanitárias se encontravam danificadas. O laudo verificou também que os quatro tanques, a taça e o lago haviam sido preenchidos por pedras. Havia marcas de fuligem pelo monumento, indicando a incidência de fogo usado por mendigos. A placa de mármore encontrava-se manchada e danificada. Havia também pichações em diversas partes do chafariz. O laudo concluiu que o Chafariz das Saracuras necessitava de mais cuidados de limpeza e manutenção.



Restauração - Junho de 2008

rioecultura : Chafariz das Saracuras : Coluna Patrimônio Histórico
Foto de Custódio Coimbra

Em junho de 2008, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente concluiu uma nova restauração do Chafariz das Saracuras. A obra, no valor de R$ 180 mil, devolveu ao monumento suas dimensões originais e seus ornamentos em bronze - tartarugas e saracuras - roubados em 2006. Durante as obras, foram descobertas partes abaixo do nível do solo, cerca de 60 cm escondidos pelas sucessivas elevações da área urbana e, a existência de grandes blocos de pedra ainda intactos. Isso fez com que o projeto tivesse que ser ampliado para a restauração integral do monumento. A idéia inicial era apenas recuperar a bacia em cantaria e reparar os equipamentos elétricos e hidráulicos. A nova proposta inclui a confecção de réplicas das peças roubadas anteriormente e a criação de peixes no local. O símbolo da coroa portuguesa em mármore de Lioz e as tartarugas e saracuras em cobre voltam a verter água e o deque sobre o espelho d´água foi removido para proteger as peças.



Roubos – Dezembro 2010

Duas peças que integram o conjunto do Chafariz das Saracuras, na Praça General Osório, em Ipanema, na Zona Sul do Rio, foram furtadas em dezembro de 2010. O desaparecimento de duas das quatro saracuras do monumento foi confirmado pela Secretaria de Conservação e Serviços Públicos, que registrou queixa do furto na 13ª DP (Copacabana). Uma das saracuras já havia sido furtada, e três foram recolocadas no chafariz, religado em agosto de 2010 após ser recuperado. Além do registro na delegacia, o secretário municipal de Conservação e Serviços Públicos, Carlos Roberto Osório, também informou o caso à Secretaria Especial de Ordem Pública, à Guarda Municipal, e à Secretaria Estadual de Segurança pediu prioridade nas investigações.

• Semana que vem confira a história do Convento da Ajuda!



Fontes de Consulta:
- Extratos e Manuscritos sobre Aforamentos 1925, 1926-1929 de Aureliano Restier Gonçalves
- ABRANTES, Nicolau. História da fundição artística no Brasil. RJ: Vecchi, 1979.
- MONTEIRO DE CARVALHO, Anna Maria. Mestre Valentim. SP: Cosac & Naïf, 1999.
- FONTAINHA, Affonso. História dos monumentos do Rio de Janeiro. RJ: Ed. Americana, 1963.
- Chafariz das Saracuras, de Mestre Valentim, na Praça General Osório, volta a ter ornamentos - 13/06/2008 - O Globo Online.
- Duas saracuras que dão nome a chafariz da Praça General Osório são furtadas. 12/11/2010 - O Globo.
- Blog As histórias dos monumentos do Rio de Janeiro
- Blog Saudades do Rio - O Clone
- Blog Saudades do Rio - Luiz D´
compartilhe subir a página
Postagens

Julio Biar [MPB]

Leo Ladeira [Patrimônio Histórico]

Marcelo Aouila [Teatro]

Seu nome:

Comentário:

Observação:
Verifique o texto antes de enviá-lo, pois não será possível modificá-lo ou apagá-lo após o registro.

ATENÇÃO: O seu comentário não será postado automaticamente. Ele passará por uma aprovação antes de ser publicado.



Léo, contei com este 65 trabalhos sobre o Patrimônio Histórico do Rio. Maravilhoso. Você merece uma medalha por este trabalho de divulgação. Beijoca, Célia
  Postado por: Celia
  em: 2011-04-17 09:35:35

É um prazer conhecer o patrimônio da cidade, lugares por onde passamos tantas vezes, sem nos apropiar de suas histórias como cidadãos. Tomara que continue!
  Postado por: júlia favaron magoulas
  em: 2013-06-08 10:48:15


Dados do(a) amigo(a):
Nome:
E-mail:
Mensagem:

Seus dados:
Seu nome:
Seu e-mail:
  voltarsubir
© Copyright 2008-2013 Rio&Cultura
SIMETRIA Arte e Comunicação desenvolve este site

Clicky Web Analytics
Rio&Cultura