rioecultura rioecultura
Facebook Twitter Pinterest Picasa Instagram
EXPOSIÇÕES EVENTOS LOCAIS CULTURAIS COLUNISTAS ARTIGOS MATÉRIAS NOTÍCIAS INSTITUCIONAL COLABORADORES CONTATO
TRANSLATE THIS WEBSITE
COLUNA PATRIMÔNIO HISTÓRICO
Leonardo Ladeira ladleo@gmail.com
“Um bom carioca não pode desconhecer o Chafariz do Lagarto. Nada tem de pomposo o chafariz, mas na sua singeleza, na sua vetustez, diz passado a quem ama a cidade (...)”
Escragnolle Doria (1927)

rioecultura : Chafariz do Lagarto : Coluna Patrimônio Histórico

Muitos cariocas não conhecem, nem nunca ouviram falar no Chafariz do Lagarto, que sobrevive ao tempo e ao esquecimento, na Rua Frei Caneca, quase em frente ao atual 16º BPM.

O Chafariz do Lagarto foi construído por iniciativa do Senado da Câmara, em 1786, no governo de d.Luiz de Vasconcelos, com o objetivo de canalizar as águas do Rio Comprido. A fonte, que recebia água pelo aqueduto do Catumbi, foi instalada no “Caminho do Engenho Pequeno”, atual Rua Frei Caneca.

O Chafariz do Lagarto compõe-se de um tanque de cantaria limitado por duas pilastras encimadas por frontão curvo e simples, no qual, de um nicho raso, um lagarto jorrava água pelas mandíbulas. No centro do chafariz lê-se a inscrição em latim “Ao sedento povo, o Senado deu água em abundância. Ano 1786”.

O Chafariz do Lagarto possuía um bebedouro para animais. O lagarto fornecia água pelos maxilares. Durante algum tempo, correu na cidade uma lenda que o chafariz era mal-assombrado. Isso se devia a alguém que se escondia no alto do paredão da fonte a atirava moedas de cem mil réis na bacia, provocando uma aglomeração de pessoas. O autor da brincadeira acabou preso. Na época de sua construção, o lagarto causou polêmica entre a população, que não entendia o porque da escolha de um bicho “feio e maldito”, que “representava a figura do demônio”.

rioecultura : Chafariz do Lagarto : Coluna Patrimônio Histórico

Não se tem certeza se o Chafariz do Lagarto é realmente obra de Mestre Valentim. Mas há fortes indícios que levam pesquisadores a atribuir sua execução ao artista, principalmente por se tratar de uma construção do governo de d.Luis de Vasconcelos, que estimava o trabalho do mestre. Há também o argumento que Valentim era o único fundidor do Rio naquela época. Vieira Fazenda é um dos que atribui a Valentim a execução do chafariz.

Em 1848 o chafariz foi restaurado por iniciativa do Ministro dos Negócios do Império, o Visconde de Macaé. Em 11/05/1938, o monumento foi tombado pelo então SPHAN.

As obras realizadas para a reurbanização da Cidade Nova e do Catumbi atingiram parcialmente o Chafariz do Lagarto, que ficou “perdido” entre montes de escombros oriundos da construção do elevado entre o Túnel Santa Bárbara e o Viaduto São Sebastião.

rioecultura : Chafariz do Lagarto : Coluna Patrimônio Histórico

Em 1968, uma matéria do jornal O Globo intitulada “Em ruínas obra de Mestre Valentim” denunciou o estado de abandono que se encontrava naquela ocasião o Chafariz do Lagarto. Segundo a matéria, o monumento era utilizado como depósito de lixo e como sanitário e dormitório para mendigos.

Em 1975, o lagarto de bronze é roubado. Em seu lugar é colocada uma cópia de ferro, um pouco maior.

Em 1978, havia colada ao chafariz uma residência térrea habitada pela viúva de um antigo funcionário do Departamento de Águas e Esgotos, que exerceu por muitos anos a função de zelador da fonte.

O Chafariz do Lagarto foi restaurado entre outubro de 1986 e abril de 1987. O lagarto foi reproduzido em ferro. A bacia de cantaria foi recomposta. O monumento recebeu pintura nova e teve instalado um novo piso, com lajes de gnaisse. As paredes de alvenaria foram revestidas e a placa comemorativa de mármore foi limpa. Nessa época, a zeladora ainda morava na casa anexa ao chafariz.

Segundo matéria publicada em 16/10/2009 pelo Jornal do Brasil, o “Chafariz do Lagarto também é desativado e habitado, mas, segundo a Fundação Parques e Jardins, de forma regular por antigos zeladores. O problema é do lado de fora. O rabo do lagarto que o dá nome já foi “cortado” por vândalos e a serve de banheiro para mendigos, semiescondido por um estacionamento”.

rioecultura : Chafariz do Lagarto : Coluna Patrimônio Histórico

--------------------------------------------------------
Fontes de Consulta:

Revista da Semana – 16/07/1927 – Artigo: “O Chafariz do Lagarto”, por Escragnolle Doria

“Demolições Ameaçam Obra Antiga” (Jornal do Brasil – sem data) – Acervo Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro

“Movimentos Urbanos no Rio de Janeiro” – Carlos Nelson Ferreira dos Santos. Zahar, RJ: 1981.

Artigo “Muita Água ainda há de rolar – Há 200 anos, seis chafarizes fazem história no Rio” – por Antonio José Mendes – Revista de Domingo – Jornal do Brasil – 08/02/1987.

Artigo “Em Ruínas Obra de Mestre Valentim” – O Globo: 01/10/1968.

Arquitetura Oficial III – FAU/USP – MEC/IPHAN – 1978

Arquivo Noronha Santos (IPHAN)

Carvalho, Anna Maria Fausto Monteiro de, and Valentim Fonseca e Silva. Mestre Valentim. [São Paulo]: Cosac & Naify Edic̦ões, 1999.

Matéria “Prefeitura vai gastar R$ 1 milhão para restaurar chafarizes históricos” – João Pequeno - Jornal do Brasil - 16/10/2009
compartilhe subir a página
Postagens

Julio Biar [MPB]

Leo Ladeira [Patrimônio Histórico]

Marcelo Aouila [Teatro]

Seu nome:

Comentário:

Observação:
Verifique o texto antes de enviá-lo, pois não será possível modificá-lo ou apagá-lo após o registro.

ATENÇÃO: O seu comentário não será postado automaticamente. Ele passará por uma aprovação antes de ser publicado.



Adoro essa fonte! Todos os dias, indo para o trabalho, eu passo de ônibus por ela e penso o quão solitária, abandonada e despercebida do olhar dos passantes ela está. Acho que pela sua "insignificância" ao olhar e por não ser de bronze, ela resista intacta. Ainda não foi vandalizada, coisa que os óculos de Drummond já sofreram tanto. Mas se algum dia houver algum vandalismo a essa fonte, ninguém tomará providências, pois ela não fica em Copacabana - cartão postal da cidade! Magnífica matéria, parabéns.
  Postado por: Sergio Almeida
  em: 2010-04-26 21:06:45

É o caso de perguntar a Guarda Municipal que foi criada para vigiar os monumentos etc hj faz o que ? Talvez algo que renda algum lucro ao municipio... pena !
  Postado por: Jorge Braga
  em: 2011-07-17 11:35:17

O enderêço correto é Av. Salvador de Sá em frente ao Batalhão de Policia de Choque.
  Postado por: Jorge Braga
  em: 2011-07-17 11:43:06

O BATALHAO NÃO É 16º E SIM 1º BATALHAO. eu moro perto dali.
  Postado por: ANA PAULA
  em: 2011-12-05 11:46:23

ano que vem ´e o tricentenário do Mestre Valentim, merece uma placa comemorativa de seu falecimento não acham,pois já existe uma de 1913 prefeiro Bento Ribeiro.....rioantigo1911@r7.com
  Postado por: sidney braga
  em: 2012-07-16 13:24:44


Dados do(a) amigo(a):
Nome:
E-mail:
Mensagem:

Seus dados:
Seu nome:
Seu e-mail:
  voltarsubir
© Copyright 2008-2013 Rio&Cultura
SIMETRIA Arte e Comunicação desenvolve este site

Clicky Web Analytics
Rio&Cultura