rioecultura rioecultura
Facebook Twitter Pinterest Picasa Instagram
EXPOSIÇÕES EVENTOS LOCAIS CULTURAIS COLUNISTAS ARTIGOS MATÉRIAS NOTÍCIAS INSTITUCIONAL COLABORADORES CONTATO
TRANSLATE THIS WEBSITE
COLUNA PATRIMÔNIO HISTÓRICO
Leonardo Ladeira ladleo@gmail.com
Mais antiga rua da cidade está abandonada à própria sorte

Um dos marcos mais antigos e simbólicos da cidade está pedindo socorro. A Ladeira da Misericórdia, primeiro logradouro do Rio de Janeiro, entrou no século XXI esquecida e relegada à própria sorte.

rioecultura - Coluna Patrimônio Histórico - Ladeira da Misericórdia

Durante séculos, a Ladeira da Misericórdia era a principal via de acesso ao Morro do Castelo, sendo o único vestígio que sobreviveu à demolição do mesmo, em 1922. Ela foi também a primeira rua a sofrer calçamento de pedra no Rio de Janeiro (em 1617).

Mas o que se vê hoje é uma via sem saída, com cerca de 40 metros e que ainda preserva o piso original à base de pé-de-moleque. A ladeira está localizada junto à Igreja de N.S.do Bonsucesso, próxima ao Museu Histórico Nacional, na região outrora conhecida como Largo da Misericórdia.

rioecultura - Coluna Patrimônio Histórico - Ladeira da Misericórdia

rioecultura - Coluna Patrimônio Histórico - Ladeira da Misericórdia

Historiadores e arquitetos vêm denunciando o estado de decadência daquele monumento, sem que as autoridades tomem qualquer providência. Um descaso total em relação à memória do Rio.

Atualmente quem visita a Ladeira da Misericórdia encontra mato alto crescendo em torno do calçamento irregular, que está necessitando de reparos, pois várias pedras encontram-se soltas. Outro problema é o forte odor de urina e fezes que contribuem para afugentar os turistas. Como o local é abandonado, acaba funcionando de “banheiro” para mendigos.

rioecultura - Coluna Patrimônio Histórico - Ladeira da Misericórdia

rioecultura - Coluna Patrimônio Histórico - Ladeira da Misericórdia

Não existe qualquer sinalização do bem histórico e o local não inspira segurança – dificilmente é visto policiamento naquele trecho.

O arquiteto e urbanista Antônio Agenor de Melo Barbosa, que costuma levar seus alunos e grupos de visitantes para conhecer os espaços históricos do Rio, é um dos que lastima a sorte daquele marco: “A Ladeira da Misericórdia não faz parte das rotas turísticas que buscam mostrar a história do Centro do Rio. Em geral os roteiros que as agências promovem começam pela Praça XV em direção à Candelária e ao Mosteiro de São Bento. Algumas publicações sequer mencionam a sua existência e isto é, a meu ver, sintoma deste esquecimento”, diz o professor.

rioecultura - Coluna Patrimônio Histórico - Ladeira da Misericórdia

Antônio Agenor lembra que não só a Ladeira está abandonada, mas toda aquela região: “As praças estão gradeadas, o prédio do MIS foi recentemente gradeado, o DETRAN construiu um horrendo galpão em frente à Santa Casa e o pé da Ladeira com uma espécie de ´ruína´ logo ao lado do MIS também foi gradeado para evitar o acúmulo de lixo. Há um terminal de ônibus muito mal planejado e que faz com que não se tenha noção dos espaços na sua totalidade, tamanha é a quantidade de ônibus que por ali circulam. Enfim, é todo um contexto histórico degradado que merece mais atenção e zelo. A municipalidade deveria olhar para aquele espaço com carinho e objetividade de intenções”.

Quando será que as autoridades irão se comprometer com a memória da cidade e com o turismo de âmbito cultural? Assim como outros sítios históricos, a Ladeira da Misericórdia está à espera.

----------------------------------------------------------------------------------------
O Pé-de-Moleque no Morro do Castelo
rioecultura - Coluna Patrimônio Histórico - Ladeira da Misericórdia

“O íngreme, o desigual, o mal calçado da ladeira mortificavam os pés às duas pobres donas”. Assim descreveu Machado de Assis na obra Esaú e Jacó, o piso irregular feito à base de pé-de-moleque da Ladeira da Misericórdia. O engenheiro e arquiteto Adolfo Morales de Los Rios filho, autor da célebre obra “Grandjean de Montigny e a Evolução da Arte Brasileira” descreveu a técnica de calçamento empregada na Ladeira da Misericórdia: “Era do tipo tosco conhecido como empredado, isto é, feito com pedras de mão (matações) colocados soltas sobre o solo. Seu ajuntamento se processava por meio de instrumento conhecido como soquete. Após a chegada dos negros africanos, estes passaram a empregar pedras chatas e arredondadas no contorno, introduzidas no solo pela compressão do soquete e também pelo emprego do maço: martelo de pau encabado”.
----------------------------------------------------------------------------------------

Fotos:
Site Marcilio.com
Fotolog Rio de Fotos
Site HC Gallery
Acervo André Mendonça
Acervo Rio&Cutlura
compartilhe subir a página
Postagens

Julio Biar [MPB]

Leo Ladeira [Patrimônio Histórico]

Marcelo Aouila [Teatro]

Seu nome:

Comentário:

Observação:
Verifique o texto antes de enviá-lo, pois não será possível modificá-lo ou apagá-lo após o registro.

ATENÇÃO: O seu comentário não será postado automaticamente. Ele passará por uma aprovação antes de ser publicado.



Muito interessante o artigo. Sempre passo por ali e vejo como está abandonada parte da história do Rio de Janeiro. O que acho engraçado, é que as mesmas pessoas que não valor a nossa história, são as mesmas que vão para Europa apreciar a história de outros países.
  Postado por: JocimarPequeno
  em: 2012-10-02 18:47:18

Infelizmente não há uma política eficaz para preservação e conservação do patrimônio histórico do Rio, que é o berço de História desde a chegada dos colonizadores no Brasil.
  Postado por: maria auxiliadora
  em: 2013-11-02 20:10:17

Gostaria de informar que usei este texto para fundamentar uma publicação em meu blog, segue link: http://meusanguebrasileiro.blogspot.com.br/2013/05/breve-historio-da-ladeira-da.html Espero que gostem! :)
  Postado por: André Garcia
  em: 2015-03-03 13:55:05

Uma pena nossa História acabar assim...
  Postado por: Márcia de Loyola
  em: 2017-05-30 12:40:38


Dados do(a) amigo(a):
Nome:
E-mail:
Mensagem:

Seus dados:
Seu nome:
Seu e-mail:
  voltarsubir
© Copyright 2008-2013 Rio&Cultura
SIMETRIA Arte e Comunicação desenvolve este site

Clicky Web Analytics
Rio&Cultura