rioecultura rioecultura
Facebook Twitter Pinterest Picasa Instagram
EXPOSIÇÕES EVENTOS LOCAIS CULTURAIS COLUNISTAS ARTIGOS MATÉRIAS NOTÍCIAS INSTITUCIONAL COLABORADORES CONTATO
TRANSLATE THIS WEBSITE
COLUNA PATRIMÔNIO HISTÓRICO
Leonardo Ladeira ladleo@gmail.com
Considerada a figura mais expressiva da Missão Artística Francesa, que chegou ao Rio em 1816, patrocinada por D.João VI, o arquiteto Grandjean de Montigny deixou como herança para a cidade do Rio de Janeiro importantes contribuições ao seu desenvolvimento arquitetônico e urbanístico.



Auguste Grandjean de Montigny nasceu em 1776, em Paris, e foi discípulo dos arquitetos de Napoleão, trabalhando na Escola de Roma e na Vila de Médices.

Em 1815, juntamente com Debret, foi convidado a ir para a Rússia, mas preferiu viajar para o Brasil, onde foi incumbido de fazer o projeto do edifício da Academia de Belas Artes.

>> LEGADOS <<

Antigo pórtico da Academia Imperial de Artes e Ofícios





Um dos legados de Montigny no Rio é o antigo pórtico da Academia Imperial de Artes e Ofícios, que hoje se encontra no Jardim Botânico, ao final da Alameda de Palmeiras. A Academia era localizada na atual Av. Passos. O pórtico foi levado para o Jardim Botânico, em 1938, depois da demolição do prédio original.

Chafariz do Alto da Boa Vista



No Rio, são encontrados outros trabalhos de Montigny, como o suntuoso chafariz do Alto da Boa Vista, feito em cantaria, em 1846 e instalado inicialmente na Praça Onze; e o edifício de nº 221 da Rua do Catete, também projetado pelo arquiteto.

Solar Grandjean de Montigny



Quando chegou ao Brasil, o artista e sua família optaram pelo sossego da Gávea para residirem (imagine o que seria residir na Gávea em 1816!). Montigny moraria na casa da Gávea construída por ele mesmo até sua morte, em 1850. Alguns anos depois, sua viúva, Luiza Grandjean, vendeu a propriedade, que teve então diversos donos.

Em 1838, reconhecido seu valor histórico e cultural, a casa foi tombada pelo SPHAN e, em 1957, iniciou-se sua restauração, comandada por Augusto da Silva Telles e pelo professor Paulo Santos. Em 1951, a Pontifícia Universidade Católica (PUC) comprou a propriedade, que passou a funcionar como espaço administrativo.



Em 1979, o Departamento de Artes da PUC desenvolveu um projeto junto ao SPHAN com o objetivo de dar uma melhor utilização ao prédio histórico. De acordo com este Departamento, além de ser restaurada e preservada, a Casa deveria ganhar uma função voltada à cultura.

Desta forma nasceu o Solar Grandjean de Montigny, inicialmente funcionando como Centro de Atividades Artísticas e atualmente abrigando o Centro Cultural, onde são realizados eventos culturais da PUC e exposições de arte.

Casa França-Brasil (antiga Praça do Comércio e Alfândega)



No entanto, o maior legado do artista ao Rio de Janeiro foi o prédio em estilo neoclássico ao lado do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) e do Centro Cultural dos Correios: a Casa França-Brasil.

O edifício foi construído em 1819 e inaugurado em 13 de maio de 1820, dia do aniversário de D.João VI. Ali foi instalada a Praça do Comércio, um local freqüentado por mercadores, que, em 1821, lideraram um movimento para forçar a permanência da corte no Brasil, episódio conhecido como “Açougue dos Bragança”.

A Praça do Comércio foi fechada em 1824 e em seu lugar passou a funcionar a Alfândega, remodelada em 1852 por André Rebouças. Por quase um século, o prédio foi ocupado pela Alfândega, até que em 1956 nele foi instalado o II Tribunal do Júri, ali permanecendo até 1978.



A partir de 1980, começou a cogitar-se da utilização da antiga Praça do Comércio para fins culturais. Em 1984, após entendimentos entre Darcy Ribeiro e o então Ministro da Cultura da França, Jacques Lang, nasceu a idéia de transformar o antigo edifício projetado por Montigny em um espaço cultural, para difundir trabalhos artísticos brasileiros e franceses.

Teve início então um minucioso e longo trabalho de restauração, fruto de várias reuniões entre arquitetos, historiadores e restauradores. Em 1990 é finalmente inaugurada a Casa França-Brasil, mantendo-se fiel ao estilo arquitetônico do prédio, que se baseava na Basílica Tribunícia romana.

Entre as principais exposições apresentadas na Casa França-Brasil destacam-se “A Missão Artística Francesa e os Pintores Viajantes”, o “Projeto Kuarup”, “A Miragem do Barroco”, “Isto é a França em Quadrinhos”, “Fontes de Arte”, “Viva a Água”, além de mostras de Jean Miró e Derain, entre outros.



Contudo, o acervo mais importante da Casa França é o próprio prédio onde está instalado o centro cultural. De concepção cartesiana, a arquitetura do edifício segue referências da Antiguidade romana e do Renascimento italiano. A Casa também guarda em seu acervo o busto em homenagem ao seu criador.

Recentemente o prédio que abriga o centro cultural passou por um intenso processo de obras estruturais e de restauração com o objetivo de recuperá-lo, preservando uma construção de grande importância histórica e arquitetônica, e, ao mesmo tempo, modernizando suas instalações.

Após seis meses em obras, a Casa França Brasil reabriu suas portas em abril de 2009, com uma exposição do fotógrafo francês JR, "Mulheres – JR – 28 Milímetros", com imagens realizadas no Morro da Providência, no Rio. Paralelamente às mudanças físicas por que passou o imóvel, mudou o perfil da Casa França-Brasil. A programação agora se concentrará na arte urbana.

Projetos não realizados

Grandjean de Montigny conseguiu construir muito pouco do que projetou, e muito de sua obra foi subsequentemente destruída. Entre os projetos que nunca se realizaram estão o de uma Biblioteca Imperial (1841) e o do Senado do Império (1848), cujo desenho se encontra guardado no Museu Nacional de Belas Artes.

Apesar disso, sua importância para a arquitetura brasileira é imensa. Como professor na Academia, Grandjean formou muitos novos profissionais que souberam dar ao Brasil uma linguagem arquitetônica moderna.


Projeto do Senado

Por Leo Ladeira

-------------------------------------------

Serviço

Casa França Brasil
Terça a domingo, das 10h às 20h.
Rua Visconde de Itaboraí, 78, Centro.

Solar Grandjean de Montigny (Centro Cultural da PUC-Rio)
Horário de atendimento: 2ª a 6ª, de 8h30 às 17h
Rua Marquês de São Vicente, 225 – Gávea.

Jardim Botânico (Antigo pórtico da Academia Imperial de Artes e Ofícios)
Está aberto aos visitantes de segunda a domingo, durante todos os dias do ano, excetuando-se 25 de dezembro, 1º de janeiro e momentos específicos de horários adotados pela Presidência do Instituto. O horário normal de visitação é das 8h às 17h. Excepcionalmente, de 2 de janeiro a 20 de março de 2010, a bilheteria está aberta até as 18h. Para mais informações, ligue para o Centro de Visitantes - (21) 3874-1808 / 3874-1214. Preço Ingressos: R$ 5,00 – Individual, Crianças até 7 anos (inclusive) e adultos acima de 60 anos (inclusive) não pagam ingresso.

Chafariz do Alto da Boa Vista
Praça Afonso Viseu – Alto da Boa Vista. 53.

--------------------------------------------
Fontes de Referência:
BANDEIRA, Júlio; XEXÉU, Pedro Martins Caldas; CONDURU, Roberto. A Missão Francesa. Editora Sextante Artes. RJ, 2003.
GONZAGA-DUQUE, Luiz. A Arte Brasileira. Campinas, SP: Mercado das Letras, 1995. p.91.
GRANDJEAN de Montigny. In: Fundação Casa França-Brasil. Disponível em: [http://www.fcfb.rj.gov.br/conteudo/biograndjean.asp]. Acesso em: 30 de out. 2006.
LEMOS, Carlos A. C. Arquitetura brasileira. São Paulo: Melhoramentos: Edusp, 1979. 158p. il color.
REIS FILHO, Nestor Goulart. Quadro da arquitetura no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 1970. 214p. il p& b.
RIOS FILHO, Adolfo Morales de. Grandjean de Montingy e a evolução da arte brasileira. Rio de Janeiro: Empresa A Noite, 1941. 158p. il color.
Dados do Jardim Botânico do Rio de Janeiro
GÊNIOS da Pintura – Neoclássicos, Românticos e Realistas. Editora Abril Cultural. São Paulo, 1984.
Acervo Leo Ladeira
Site Oficial Casa França-Brasil
Site Oficial Solar de Grandjean de Montigny
compartilhe subir a página
Postagens

Julio Biar [MPB]

Leo Ladeira [Patrimônio Histórico]

Marcelo Aouila [Teatro]

Seu nome:

Comentário:

Observação:
Verifique o texto antes de enviá-lo, pois não será possível modificá-lo ou apagá-lo após o registro.

ATENÇÃO: O seu comentário não será postado automaticamente. Ele passará por uma aprovação antes de ser publicado.



Muito bom! Parabéns!
  Postado por: Damiana
  em: 2010-03-05 10:04:52

Maravilhoso! Adorei!!
  Postado por: Suzana
  em: 2010-03-05 17:10:55

Compartilhei com meus amigos, no facebook, como um roteiro para se seguir em próxima viagem ao Rio. Quanta coisa bonita deixamos de conhecer, por pura falta de conhecimento.
  Postado por: Maria Sylvia Nogueira de Toledo
  em: 2015-02-03 22:39:06

Excelente!!!
  Postado por: Fabi Ferraz
  em: 2015-05-19 21:24:22


Dados do(a) amigo(a):
Nome:
E-mail:
Mensagem:

Seus dados:
Seu nome:
Seu e-mail:
  voltarsubir
© Copyright 2008-2013 Rio&Cultura
SIMETRIA Arte e Comunicação desenvolve este site

Clicky Web Analytics
Rio&Cultura